Algas são as ‘flores’ dos casais de golfinhos namorados

Eles são adolescentes temperamentais e, no caso dos “rapazes”, por vezes dados a comportamentos machistas. As mães são carinhosas mas extremamente exigentes. Os pais, ainda que passem a maior parte do tempo longe das fêmeas, em grupos cem por cento masculinos, são protetores quando as crias nascem e podem até ajudar a criar outros filhos das companheiras.

Também são românticos. Quando namoram, cortejam com “flores” – ou antes, com o equivalente subaquático: algas marinhas.

Extremamente sociáveis, escolhem habitualmente melhores amigos, que acompanham para a vida. Mas também se adaptam facilmente a novos conhecimentos, sendo até capazes de adequar a “linguagem” para melhor interagirem com desconhecidos.

Estas são algumas das características reveladas – com um grau de pormenor nunca antes visto – da vida dos golfinhos na intimidade. E certamente ajudarão a reforçar as convicções dos que vêem neste mamífero aquático uma “humanidade” que vai bastante para além da comprovada inteligência.

As imagens constam de uma série documental, em estreia na BBC, onde serão revelados muitos outros segredos da vida dos golfinhos. Desde a aquisição de um conjunto de assobios e estalos – sons que constituem a sua forma de comunicar – aos seus cuidados de beleza. Sabia que os golfinhos fazem esfoliações regulares, recorrendo a corais duros, para manter a pele em boas condições?

A produção, feita ao largo da costa de Moçambique, incluiu o recurso a um total de 13 câmaras telecomandadas, disfarçadas de animais marinhos como vieiras, atuns, tartarugas e lulas, para não perturbar o ambiente. Uma tentativa da equipa de biólogos e realizadores para passar despercebidos cujo sucesso foi totalmente nulo.

Rapidamente, graças aos seus sofisticados sistemas de localização através de ondas sonoras, os golfinhos descobriram que os “intrusos” não passavam de objetos metálicos. No entanto, longe de terem ficado intimidados com a descoberta, os golfinhos até brincaram com os engenhos, fazendo questão de os inspecionar detalhadamente, proporcionando assim imagens que dão aos espetadores a sensação de fazer parte do grupo.

Documentário da BBC mostra, entre outros hábitos, que os cetáceos oferecem presentes aos namorados: quando cortejam oferecem algas, o equivalente às flores nos humanos.